[MUSIC] – DMPM POA #1

No sábado passado tive o prazer de participar do primeiro De Músico Para Músico realizado pelo Dudu Sandler e o Arthur Simoneto. O evento teve a proposta de mostrar as várias partes envolvidas para uma banda. Contando com 4 módulos descritos abaixo.

DMPM.png

Foi basicamente uma troca de experiência entre aproximadamente 20 pessoas. Valeu muito a pena pelas histórias de vida de cada e também das dicas dadas. O DuRock, da Black Sabão, falando de como é importante o envolvimento das pessoas. O Rodrigo Fischmann, da Dingo Bells, sobre as alternativas e decisões feitas por eles para a banda. O Artur falando de técnicas para mídias digitais: fotos, vídeos, campanhas, etc. E o Juliano do estúdio Monostereo falando da vida, de gravações, da importância de se gravar e se ouvir, e de montagem de estúdios.

A coisa mais importante de tudo isso foi o contato com as pessoas. Bater um papo, falar merda, ouvir piada, ouvir dúvidas e acima de tudo fazer amizades. Rever meu bruxo dos tempos de estúdio Cidade Baixa Juliano!

Vale a pena ter esses encontros e façam esforços para ir no próximo. Eu vou querer ir de novo!

[UPDATE] No fim esqueci de escrever o que eu realmente queria a respeito do evento. Eu estava bem chateado no sábado e cansado. Por coisas da vida. Pessoais e profissionais. Eu já tava meio de saco cheio porque ia sair dali e ir pra Sapucaia tocar. Sendo que no dia seguinte ia correr. Porém, uma coisa que alguém comentou mudou meu sentimento. Não foi nada tão magnífico, mas fez diferença.

A frase era a seguinte e nem sei se era assim: “Não importa como tu esteja se sentindo ou como esteja o local, som, luz, sempre tenta fazer o melhor como músico e pessoa. Porque para alguém que está te assistindo tu tá fazendo a diferença.” Isso mudou meu humor, pois mesmo tendo vários problemas eu também uso a música como saída para eles. Então fui pra Sapucaia e me diverti. Espero para quem foi também 🙂

IMG-20190805-WA0016.jpg

[MUSIC] – YTvG – Youtube Television Gaúcha (2)

Decidi fazer uma nova lista de clipes/vídeos de bandas gaúchas depois de ouvir o álbum Buenos Días do Wander Wildner. Quase todas essas músicas conheci por conta da Ipanema que tocava demais o som da região. Espero que gostem.

Começando pelo Sangue Sujo com a clássica Jesus Cristo vai voltar. Junto com Amigo Punk, um clássico de Porto Alegre.

Quase um alcoólatra do Wander Wildner foi a música do Buenos Días que me fez fazer essa lista só de rock mais antigo. Pra mim uma das melhores que ele gravou. Agora que fui ver que tem o Zé do Bêlo no clipe…

Mantendo o Wander em evidência, tem a obra de arte de Jimi Joe, Sandina na versão dos Replicantes ao vivo pelo projeto do Radar no Opinião. Eu não fui, mas sei que foi louco. Foi um dia da semana de tarde e sem segurança. A gurizada se fez e invadiu o palco várias vezes. Eu tinha esse show em VHS, mas acho que mofou a fita.

Conhece o Mário fez muito sucesso nos anos 80 graças ao Jô Soares e ao Silvio Santos que levou várias vezes a Maria do Relento no SBT.

Astronauta Pinguim ouvi na Ipanema também e, se não me engano, fez parte de várias trilhas de fundo de programas. Ao vivo e clipe não achei quase nada, então fiquem com a versão de estúdio de Nunca Diga da Graforréia Xilarmônica. Esse álbum tem várias versões de clássicos do rock gaúcho.

Para terminar, uma das melhores músicas que foram feitas aqui Fazê um bolo do Taranatiriça. Essa banda lançou muita gente conhecida da cena local como Alemão Ronaldo, “Gordo” Miranda, Marcelo Truda e Cau Hafner.

Muitos desses registros temos que agradecer a existência do Radar! Que permaneça assim por muito tempo

[MUSIC] – Estragonoff – Clipe: Entediado

Mais um clipe saído do álbum Plano B: Entediado! Música de abertura do CD.

Ficou demais esse envolvimento da galera. Empolgação ao vivo e pelos vídeos. O resultado do áudio gravado no Hill Valley pelo Davi Pacote e da edição do vídeo do Billy Valdez.

Eu tava bem cansado nesse dia porque gravei as 5 últimas baterias do CD das 15h às 18h, voltei pra casa e sai as 19h30 pro Legato para gravar o clipe até às 23h30. Mas valeu pelo resultado!

[MUSIC] – ESTRAGONOFF – PLANO B

Depois de quase um ano de gravações, mixagens e masterizações, a Estragonoff lançou seu primeiro álbum! Gravado no Hill Valley Studios de Porto Alegre e sob produção de Davi Pacote. O PLANO B tem 10 músicas autorias de diversas épocas da banda. E tem esse por não se tratar do planejamento inicial da banda. Seja gravar um álbum, seja gravar no mesmo local. Porém, como estava saindo tudo tão bom, decidimos continuar até fechar 10 músicas. Foram gravadas em linha em 3 grupos de músicas (2 + 3+ 5) e mixando conforme seus términos. Acabamos tendo que apressar a gravação das últimas 5 músicas por conta da saída do baixista no final de 2018 :(.

Falando um pouco das músicas:

Entediado/Ninguém me diz – Essas duas ainda são do tempo de Loucos de Cara. Tem pegadas bem diferentes. Ninguém me diz foi certamente a música mais trabalhada em cada instrumento. Para compor a bateria em Ninguém, eu utilizei o Chuveirinho de Prato Tribal Percussion Rattler para Pratos até 22″ que se encontra no BateraClube.

Recomeçar/ Sob Controle – São duas músicas irmãs, porque surgiram ao mesmo tempo. Recomeçar ficou pronta antes, Sob Controle foi ajeitada durante a gravação. Sob Controle é a única música do álbum de composição de letra e melodia minha.

Estamos todos perdidos – Música criada durante a gravação do PLANO B. A letra e o esquema estava pronto, porém fomos criando a melodia no estúdio. Primeira vez que fizemos isso. Foi a última música a ser escolhida pro álbum. O que não quer dizer nada, ficou excelente. Por ser nova, o produtor teve muita influência para a finalização.

Ex-Declaração – Suspeito que seja da época da Loucos também, mas não lembro. Utiliza violão de 12 cordas. Parece até um piano no fundo…

Musa Ciberbiocibernética/ Mundo Cão/ Último dia – Essas 3 apareceram na mesma época. Tratam d assuntos bem distintos, mas são muito interessantes. Pegada de hardcore. Lançamos Último dia como single desse álbum faz um tempinho. Clipaço. Tem até o Making Of.

Fantasia – Música bem polêmica. Letra antiga do início da Estrago. Teve muitas alterações ao longo do tempo. Ficou um surf rock. Fiquei muito feliz em fazer uma parada estilo Blink nela. Tem um Lyric Video.

Falando um pouco da bateria nas gravações. Eu costumo imprimir a letra, com o BPM e fazer anotações para gravação. Dessa vez com a bateria eletrônica deu pra testar muita coisa antes. Outra diferença: afinação na caixa, gel e esteira grudada para diminuir a ressonância. Dicas do Pacote.

Também dei sorte de usar duas baterias para gravações: uma Pearl e outra Gretsch. Usei bumbo, tom e surdo delas. Tirando as ferragens, o restante utilizei: presilha de chipô DW da Factory Acessories, caixa Gretsch de 14×5″ Maple e pedal Odery Privilege Series; pratos: chipô Turkish Classic 14″, Crash Turkish 16″, Medium Crash Zildjan Avedis 16″, Fast Crash Zildjan ZHT 16″, China Meinl Byzance 16″ e Ping Ride Zildjan Avedis 20″.

IMG_20180514_132846606.jpg

[MUSIC] – Misery Business and i feel so good

O Paramore entrou em “hiato” e antes disso eles decidiram não tocar mais Misery Business por conta da mensagem da letra. Que não fazia mais sentido pra banda. OK, mas que a música é boa ela é.

Só fui achar agora essa versão feita com filmes.

Só que pra mim a melhor é desse cara

Se curtiram o Kye Smith, se inscrevam no canal dele porque ele é bem do hardcore.